Crise… que crise?

Crise… que crise?

0 406

A crise financeira mundial atingiu grande parte dos setores produtivos, com reflexos nos níveis de emprego, no consumo e na exportação, fazendo o mundo viver o pior cenário econômico dos últimos 80 anos. Felizmente, o mercado de saúde suplementar no país manteve-se estável e pôde respirar aliviado em meio a este cenário caótico.

Segundo dados divulgados pela Agência Nacional de Saúde Complementar (ANS), o número de beneficiários de planos privados de assistência médica cresceu em 5,3% no ano passado. Já setor de planos odontológicos apresentou elevação de 15% em 2008 e alcançou um total de 11,3 milhões de beneficiários.

Tendo em vista que apenas pouco mais de 5% da população brasileira possui um convênio desta natureza, podemos afirmar que há potencialmente muito espaço para o crescimento, ainda mais quando percebemos que existem nichos de mercado a serem explorados, como o mercado de planos corporativos.

Hoje em dia, os planos odontológicos, apesar de não figurarem a lista de benefícios obrigatórios por lei, estão entre os mais valorizados pelos funcionários, fruto de uma efetiva conscientização da população sobre a importância da saúde bucal.

Sendo assim, as empresas sentiram a necessidade de incluir a assistência odontológica em seu pacote de benefícios e essa pode ser considerada uma das razões que explicam o crescimento significativo da carteira das administradoras de planos. Na Medial Odonto, por exemplo, houve um crescimento de mais de 150% em apenas um ano, chegando a mais de 300 mil beneficiários.

As vantagens em oferecer os planos corporativos odontológicos são visíveis para ambas as partes. Pelo lado das empresas, observa-se redução do absenteísmo, pois a prevenção de problemas bucais evita complicações que impliquem no afastamento dos funcionários, além de a saúde da boca contribuir para a saúde em geral, de todo o corpo. Outro diferencial atrativo está no custo do benefício: o ticket médio do produto é de R$ 9,00 por funcionário.

Para os funcionários, a possibilidade de ter uma rede à disposição incentiva a procura pelo especialista, elimina o desconforto das dores de dente e os aproxima de um sorriso perfeito. Pessoas felizes trabalham melhor e produzem mais!

É por estes motivos que o setor de planos odontológicos deve seguir bem, obrigado, com crescimentos expressivos nos próximos anos, estimulando cada vez mais uma mudança de comportamento na população brasileira com a colocação da saúde bucal na lista de prioridades para a qualidade de vida.

Comentários

comentários

Fonte: Cássia Gil - Dentista e diretora da Medial Odonto

SEM COMENTÁRIOS

Deixe um resposta