Mercado aguarda decisão de Requião sobre o Pátio Legal do Paraná

Mercado aguarda decisão de Requião sobre o Pátio Legal do Paraná

0 636
Pátio Legal
O Pátio Legal do Paraná trará mais segurança para os veículos recuperados, segurados ou não

O Sindseg PR/MS participou de uma reunião com o Secretário de Segurança Pública do Paraná, para tratar de detalhes sobre a instalação do Pátio Legal no Paraná. A reunião contou com a participação de Júlio Avellar, que é o gestor dos Pátios do Rio de Janeiro e de Minas Gerais e, presidente da OBPS – Organização Brasileira para a Prevenção e Segurança Pública, uma ONG que será a responsável pela interface entre a Secretaria de Segurança, o Sindicato das Seguradoras e a Federação Nacional das Seguradoras (atual CNSeg). O projeto do Pátio Legal do Paraná será levado, agora, para o Governador Roberto Requião. “Basicamente estamos dependendo, agora, da aprovação do projeto pelo Governador”, explica Ramiro Fernandes Dias, diretor executivo do Sindseg PR/MS.

O Pátio Legal, que já está ativo no Rio de Janeiro e em Minas Gerais, onde já foram entregues mais de 75 mil veículos, tem como objetivo dar mais transparência e segurança na hora da entrega dos veículos furtados e roubados que forem recuperados.

Mas, afinal, como funciona o Pátio Legal?

O Pátio Legal é uma estrutura montada especificamente para receber os veículos furtados e/ou roubados que forem recuperados. A estrutura prevê um Posto da Polícia Civil dentro do Pátio, bem como um Posto Bancário para receber as taxas e uma equipe de peritos para a vistoria e liberação do veículo.

Após ser dado o alerta de furto ou roubo de um carro, quando esse carro for localizado, a Polícia faz uma ligação para o Pátio, que envia um guincho para buscar o veículo. Ao chegar ao local onde está o carro, na presença do policial, o guincheiro do Pátio Legal faz um check-list detalhado do veículo, assinado pelo guincheiro e pelo policial. O carro é, então, colocado na plataforma e levado para o Pátio. Ao chegar ao Pátio, é feito um novo check-list, assinado pelo guincheiro e pelo recepcionista. Os dois check-list’s são, então, anexados ao dossiê do veículo. O próximo passo é a identificação do proprietário do veículo. Uma vez identificado, é enviado um comunicado pela administração do Pátio Legal ao proprietário do veículo e, à quem registrou a ocorrência, de que o veículo foi recuperado, dando um prazo de três dias, contados a partir da entrega do comunicado, via AR, para que ele retire o veículo, sem nenhum ônus (a não ser que conste, nos registros, alguma pendência, como multas e IPVA, por exemplo, que deverão ser quitadas na hora da retirada do veículo), nem o do guincho. Após o prazo de três dias, se o proprietário não for retirar o veículo, será cobrada uma diária pelo tempo de permanência do veículo no Pátio.

Além disso, os veículos não retirados do Pátio, após 90 dias da comprovação do recebimento do AR, serão levados a leilão, conforme legislação pertinente.

A vantagem do Pátio Legal é óbvia: evitar eventual depredação do veículo após sua recuperação, além de todos os veículos contarem com uma cobertura de seguro pelo período que permanecerem no Pátio. Para as seguradoras, a grande vantagem é a de que, quanto antes o veículo for devolvido para o proprietário, menor será o desembolso em indenizações. Outra grande vantagem para o mercado e para a sociedade como um todo é a centralização das informações de recuperação de veículos.

O Pátio Legal é uma das formas do Sindseg PR/MS colaborar com a sociedade, pois não serão somente os veículos segurados que utilizarão o Pátio, mas, sim, todos os veículos furtados e/ou roubados recuperados.

Comentários

comentários

ARTIGOS SIMILARES

SEM COMENTÁRIOS

Deixe um resposta