Mercado de seguro automotivo cresce, mas número de apólices ainda é reduzido

Mercado de seguro automotivo cresce, mas número de apólices ainda é reduzido

0 536

Um setor automotivo aquecido como o brasileiro implica no crescimento de toda a cadeia produtiva, mas também força mudanças nos serviços que dependem do universo das quatro rodas, como os seguros. O mercado de apólices de automóveis cresceu 10% só nesse primeiro semestre de 2009, enquanto o segmento de veículos aumentou 3% no mesmo período. Ou seja, a renovação da frota com a venda de mais carros zero-quilômetro estimula diretamente uma maior contratação de seguros.

“A venda de veículos zero oxigena toda a cadeia do seguro de automóvel. Mesmo que a frota de veículos segurados ainda seja pequena, o mercado de seguros tem crescido”, reconhece Jabis de Mendonça Alexandre, vice-presidente da área de autos da seguradora Mapfre.

A leitura é simples. Os proprietários de carros zero-quilômetro estão mais dispostos a fazer seguros. Tanto que, segundo as principais companhias do ramo, 80% das pessoas que têm um modelo do ano contratam uma seguradora. Para veículos com cinco anos, porém, este índice cai para 30%. E para modelos de automóveis com mais de 10 anos de uso, não chega a 10%. Dados que o setor credita à mudança de mentalidade do consumidor brasileiro e, principalmente, aos entrantes do mercado. “O carro zero é o que faz o cliente procurar mais pelo seguro, pois é que tem o risco maior”, justifica Paulo Santos, diretor de seguros de automóveis da Generali.

O que implica também em apólices mais em conta para o carro novo. O consumidor de automóveis zero acaba por ser mais cuidadoso com seu veículo, o que reduz o índice de sinistralidade, a ocorrência de acidentes. Em contratos de carros com até dois anos de vida, por exemplo, esse índice de sinistralidade fica por volta de 8%, enquanto a média do mercado é de 13%. Mas há também o fator econômico, que torna o seguro para um modelo usado desvantajoso. “Se o segurado bate o carro, existe um custo para fazer o reparo que é praticamente igual para um zero ou para um modelo com cinco anos. O que acontece é que, proporcionalmente ao valor de mercado do carro, o seguro acaba ficando mais caro. Por isso a taxa é maior”, explica Marcelo Goldman, diretor de produtos massificados da Tokio Marine.

Com mais segurados, a concorrência também aumenta. Por conta disso, a oferta de serviços se tornou mandatória entre as companhias de seguro. Hoje, praticamente 90% de todas as empresas do setor oferecem a chamada assistência 24 horas, com oferta de mecânico e reboque para eventuais panes nos carros. O jeito foi buscar diferenciais, desde cartões de crédito até descontos em estacionamentos. Para o futuro, fala-se até em um tipo de apólice ainda mais sincronizado com a demanda do segurado: o cliente paga por quilômetro rodado. “É um seguro estilo ‘pay as you drive’, já usado na Europa até como apelo ambiental. Como você paga por quilômetro rodado, o segurado pensa antes se vai usar o próprio veículo ou um veículo coletivo”, adianta Ney Ferraz Dias, diretor executivo de produtos de seguros do Itaú.

Mais um adicional é o chamado “perfil do segurado”, sistema que mudou bastante o cenário e o preço dos seguros de automóveis. Desde os fins dos anos 90, as companhias passaram a calcular o valor das apólices não só pelo veículo, sua configuração e ano de fabricação, mas também pelas características específicas do cliente. Idade, sexo, tempo de carteira, uso do veículo, região onde mora e trabalha ajudam a determinar o custo de um seguro. “Isso atraiu muitas pessoas que, com o passar do tempo, deixavam de fazer seguro”, diz Jabis de Mendonça, da Mapfre.
..

Negócio em alta

Mas as seguradoras querem faturar mais. E acreditam que há espaço para isso. Hoje, estima-se que a frota de veículos esteja entre 25 milhões e 30 milhões de unidades, mas só 40% destes têm seguro. Mais uma prova dos bons ventos no setor de seguros, já que há dez anos essa “participação” dos veículos segurados girava em torno de 15%. “Ainda há um déficit muito grande no Brasil e a concorrência vai se acirrar cada vez mais”, prevê Goldman, da Tokio Marine.
..
Rastreador polêmico

A obrigatoriedade da instalação de rastreadores em todos os veículos produzidos no Brasil foi adiada para 2010 e ainda está envolta em incertezas, indefinições e expectativas. As companhias seguradoras acreditam que a instalação do dispositivo pode ajudar na recuperação de veículos furtados ou roubados. Até porque, o índice de recuperação de modelos com rastreador é de 80%, enquanto nos automóveis sem o equipamento cai para 38%. O que pode implicar também em apólices mais em conta. “Se a lei for aprovada e todos os veículos saírem com o rastreador, desde que haja a leitura do sinal, isso pode ser revertido na precificação dos seguros e aumentar os descontos”, acredita Jabis de Mendonça.

A discussão, porém, começa já na questão da operação do equipamento. Afinal, é preciso não só instalar como fazer funcionar o rastreador e acredita-se que nem todos os consumidores estarão dispostos a pagar pelo serviço. “As seguradoras estão aguardando as definições. Uma questão é saber quem vai pagar pelo serviço. Outra questão é em relação à região onde o proprietário do veículo trafega. Há algumas regiões, com índice de roubos tão baixos, onde não compensa ter rastreador”, pondera Marcelo Goldman.

Comentários

comentários

Fonte: Auto Press

SEM COMENTÁRIOS

Deixe um resposta