OIT discute implantação de microsseguro no Brasil

OIT discute implantação de microsseguro no Brasil

0 347

Nesta segunda-feira (17), Craig Churchill,  especialista de microsseguros da Organização Internacional do Trabalho (OIT), e o presidente da Confederação Nacional de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNSeg), João Elisio Ferraz de Campos, concedem entrevista coletiva, às 11 horas, na sede da entidade  (Rua Senador Dantas, 74, 13º andar – RJ) para avaliar o avanço do microsseguro em escala mundial e suas perspectivas no País.

O Governo promete regulamentar a matéria ainda este ano, já que o microsseguro é considerado um instrumento adequado para reduzir as vulnerabilidade dos negócios de microempreendedores formais e informais e mais bem adaptado à realidade socioeconômica da população de baixa renda. A venda de seguros simplificados e de baixo custo no Brasil (não confundir com seguro popular), considerando-se a renda combinada da população das classes C, D e E (US$ 180 bilhões em um universo de 100 milhões de pessoas) tem potencial de crescer mais que na Índia ou China, por causa da renda per capita maior da baixa renda brasileira. Na China, o universo de pessoas da baixa renda situa-se em 1 bilhão, com renda combinada de US$ 120 bilhões e na Índia são 720 milhões e renda de US$ 7,2 bilhões. Entre especialistas na matéria, o consenso é de que o Brasil é “o gigante adormecido” no microsseguro.

Craig Churchil participará de reuniões de trabalho com o mercado segurador, listando produtos da linha de microsseguro que podem ser ofertados, acoplando garantias às populações pobres tanto das áreas rurais como  urbanas, como coberturas de vida, saúde ou proteção para agricultura familiar.

Também associações de seguro da Colômbia e do Quênia, países que se esforçam em reduzir as vulnerabilidades da população mais pobre, participarão das reuniões conjuntas no Rio de Janeiro. Isso porque esses países, ao lado do Brasil, receberão recursos para desenvolver projetos da OIT de educação financeira do consumidor de microsseguro.

Comentários

comentários

SEM COMENTÁRIOS

Deixe um resposta