Previdência privada é instrumento de valorização de pessoas e retenção de talentos

Previdência privada é instrumento de valorização de pessoas e retenção de talentos

0 457

Quanto vale um talento? E quanto custa para uma empresa perdê-lo, principalmente após maciços investimentos na contratação e treinamento dos profissionais? Nos dias atuais, a competitividade entre as corporações passa, também, pela questão da atração e retenção de talentos. E uma das mais valorizadas ferramentas para esse propósito é fornecer aos funcionários um plano de previdência privada. Por isso que cada vez mais tal benefício compõe o pacote de remunerações indiretas e é algo que pode pesar para uma pessoa na decisão ou escolha de uma determinada empresa para trabalhar.

Segundo Mauro Guadagnoli, superintendente Comercial de uma das empresas líderes do mercado brasileiro de previdência privada – a Brasilprev -, são três os critérios avaliados pelos profissionais na hora de escolher um emprego. “O primeiro é a remuneração, o segundo as condições de trabalho e o terceiro, o pacote de benefícios. É neste último que se enquadra a previdência privada, que pode ser considerada um diferencial estratégico das empresas na gestão de pessoas, pois influencia diretamente no desempenho da produtividade”, afirma. O executivo sustenta que o que diferencia uma companhia no mercado é o seu capital humano, sobretudo em um país como o Brasil, que em diversos segmentos carece de mão de obra especializada.

Guadagnoli diz, ainda, que um dos principais instrumentos para calibrar a previdência privada como ferramenta de recursos humanos é a regra de vesting – que determina como será a liberação dos recursos que são efetuados pela companhia em função do tempo em que o funcionário permanece nos quadros da empresa. “Há casos em que os recursos investidos pela empresa no plano do funcionário são liberados paulatinamente ao longo do tempo, chegando a disponibilizar, em uma década ou menos, a totalidade do saldo. Mas há empresas que podem ser mais agressivas nesta regra para conquistar novos talentos, disponibilizando 100% dos recursos em espaços menores de tempo”, revela.

Benefício de longo prazo

Há pouco mais de 8 milhões de participantes no mercado brasileiro de previdência privada e o número cresce a cada ano, inclusive entre as empresas. E entre os benefícios desse instrumento, destacam-se: planejamento e segurança financeira; vantagens tributárias; viabilização de projetos de vida de longo prazo, cobertura adicional de risco e boa oportunidade de rentabilidade dos recursos investidos. Aliás, planos de previdência privada são um investimento financeiro no qual as pessoas pensam no presente na realização de um projeto no futuro.

Tal característica torna-se fundamental no País. Segundo o IBGE, o Brasil está pisando no freio do crescimento demográfico, mas avançando no envelhecimento: estudo recente do órgão mostrou que a expansão da população na faixa de 0 a 14 anos já é negativa e que em 2030 a faixa de adultos entre 15 e 64 anos também começará a reduzir. Enquanto isso, a proporção de idosos, com 65 anos ou mais, vai disparar, num vetor crescente pelo menos até 2025. A partir de 2035, o número de idosos já será maior do que o de crianças e chegará perto do dobro em 2050.

Mas para os menores – o que inclui filhos de funcionários -, a Brasilprev oferece planos de previdência privada com taxas competitivas e inclusive com acesso ao mercado de ações por meio dos fundos Ciclo de Vida. Estes ajustam, automaticamente, os aportes entre renda fixa e variável de acordo com o ciclo de vida da pessoa. “A Brasilprev foi pioneira no Brasil ao lançar, há 11 anos, os planos para menores, Brasilprev Júnior. Há dois, novamente mostrou-se inovadora ao introduzir no mercado os fundos Ciclo de Vida, que são o que há de mais contemporâneo no mundo em termos de previdência privada”, diz o superintendente comercial da empresa, Mauro Guadagnoli.

Comentários

comentários

ARTIGOS SIMILARES

SEM COMENTÁRIOS

Deixe um resposta