Quebra de vidros laterais aumenta quase 20% nos veículos do país

Quebra de vidros laterais aumenta quase 20% nos veículos do país

0 346

Líder em reparo e troca de vidros automotivos com atuação no país há mais de 15 anos, a Carglass Brasil identificou um grande aumento na quebra de vidros laterais dos veículos no país. Comparado aos atendimentos feitos entre setembro de 2007 e agosto de 2008 (43.443 ocorrências), os realizados entre setembro de 2008 e agosto de 2009 (51.824 ocorrências) registraram um crescimento de 19,29% no número de vidros laterais quebrados e substituídos pela empresa em todo o território nacional.

“Percebemos que esse tipo de ocorrência, infelizmente, está relacionado diretamente com o aumento da criminalidade, em especial nos grandes centros urbanos”, declarou o diretor Comercial da Carglass Brasil, Fabiano Telatin.

O Estado de São Paulo, que apresenta a maior frota, lidera os sinistros de quebra de vidros laterais no país com 34,06% do volume total apontados no período de setembro de 2008 até agosto de 2009. Comparando com igual período entre 2007 e 2008, houve um aumento de 27,1%.

Em relação ao Paraná, que figura na terceira colocação das ocorrências com 8,58% do volume total atendido pela Carglass entre setembro de 2008 e agosto de 2009, houve um crescimento de 16,4% ao compararmos aos atendimentos da empresa com igual período entre 2007 e 2008.

Entre todos os municípios brasileiros, a capital paranaense aparece na terceira posição com 4,7% do volume total de sinistros ocorridos no Brasil no último período, registrando um aumento de 27,4% ao volume apresentado no mesmo período anterior. Londrina, com 0,92%, é a segunda cidade do Estado e a décima quarta no ranking dos municípios, seguida por Ponta Grossa, com 0,34%, que aparece na quadragésima posição da relação. O quadragésimo oitavo município da relação, e quarto do Estado, é Cascavel, com 0,28% de participação no total de atendimentos de troca de vidros laterais no país pela Carglass, e a quinta cidade paranaense, e a sexagésima quinta a figurar no ranking dos municípios é Maringá, com 0,21% do volume total de ocorrências.

Por Estado, Minas Gerais figura na segunda colocação após São Paulo, com 9,30% do total de quebras no último período no país, seguido por Paraná com 8,58%, Rio de Janeiro com 7,57%, Rio Grande do Sul com 6,76%, Goiânia com 6,46%, Santa Catarina com 4,84%, Bahia com 4,34%, Ceará com 3,72%, Distrito Federal com 2,82%, Mato Grosso com 1,99%, Pará com 1,71%, Pernambuco com 1,21%, Maranhão com 0,88%, Mato Grosso do Sul com 0,85%, Rio Grande do Norte com 0,76%, Amazonas com 0,65%, Espírito Santo com 0,65%, Alagoas com 0,62%, Piauí com 0,53%, Tocantins com 0,44%, Paraíba com 0,42%, Sergipe com 0,42%, Rondônia com 0,28%, Acre com 0,13, Amapá com 0,02 e na última posição com 0,01% o Estado de Roraima.

Pelo relato das vítimas, uma das ocorrências que se tornou muito comum, e que as mulheres são os alvos preferidos, são as quebras de vidros nos semáforos ou nos engarrafamentos. Bolsas, laptops, jóias e acessórios, ou qualquer objeto que chame a atenção no interior do veículo são de interesse dos marginais, que quebram o vidro para subtrair o bem.

Uma alternativa para dificultar a ação do invasor no arrombamento das áreas envidraçadas é a instalação da película antivandalismo Carglass. Embora ela não possa ser considerada uma blindagem, pois não retém tiros, ela foi desenvolvida para retardar o tempo de ação do invasor, além de ser uma película de proteção dos raios solares.

“Um vidro automotivo sem película leva em média três segundos para ser arrombado. Com esse novo dispositivo, a mesma ação dura de 30 segundos a dois minutos, dependendo da ferramenta utilizada, possibilitando a reação e defesa do motorista”, esclarece o executivo.

A principal diferença entre a película antivandalismo e as apenas de proteção de raios solares existentes no mercado é que, embora ambas usem o poliéster como matéria-prima, os níveis e camadas de resistência são diversos. “Esse material chega a ser até cinco vezes mais espesso nas películas antivandalismo Carglass”, explica Fabiano Telatin.

Comentários

comentários

Fonte: Tamer Comunicação Empresarial

SEM COMENTÁRIOS

Deixe um resposta